XEQUE-MATE

Juiz da Operação Xeque-Mate avalia pedido de liberdade para Leto Viana e outros réus

O magistrado enviou os requerimentos ao Ministério Público da Paraíba e o MPPB entendeu que não há motivo para que sejam mantidas as prisões, já que a fase de instrução foi concluída.

Juiz da Operação Xeque-Mate avalia pedido de liberdade para Leto Viana e outros réus

O juiz Henrique Jácome, da 1ª Vara da Comarca de Cabedelo, pode decidir ainda nesta terça-feira (16) se acata ou nega os pedidos de liberdade para Leto Viana e outros presos da Operação Xeque-Mate, feitos pelas defesas dos réus. O magistrado abriu vistas ao Ministério Público da Paraíba e o MPPB entendeu que não há motivo para que sejam mantidas as prisões, já que a fase de instrução foi concluída.

O empresário Roberto Santiago é o único que deve permanecer detido, pois o pedido de liberdade dele não foi apreciado nessa remessa. Estão em análise os pedidos de liberdade para Leto Viana, para o ex-presidente da Câmara de Cabedelo, Lúcio José, além dos pedidos de soltura de Antônio Bezerra do Vale Filho e Tércio de Figueiredo Dornelas Filho.

Operação Xeque-Mate

Os acusados, segundo as denúncias, integravam uma organização criminosa no Município de Cabedelo que teria sido responsável por vários episódios criminosos, dentre eles a compra e venda do mandato do ex-prefeito José Maria de Lucena Filho (Luceninha) e a sua consequente renúncia ao cargo; irregularidades na Prefeitura e na Câmara de Vereadores, com contratação de servidores fantasmas; e esquema de recebimento de dinheiro desviado do salário dos servidores municipais.

Constam ainda nas acusações outras irregularidades, como o financiamento de campanha de vereadores; atos de corrupção envolvendo a avaliação, doação e permuta de terrenos pertencentes ao erário municipal, que beneficiava diversas empresas, bem como ações ilícitas para impedir a construção do Shopping Pátio Intermares, com a distribuição de valores ilícitos para vereadores, com atuação pessoal de Leto Viana.

Outras Notícias

Oito vereadores da PB são investigados por acumular ilicitamente cargos em cidades diferentes
27/01/2019 08:00
Política

Oito vereadores da PB são investigados por acumular ilicitamente cargos em cidades diferentes

Oito vereadores paraibanos estão sendo investigados por acumular cargos de forma ilícita. Um deles é o vereador da cidade de Parari, Francisco de Assis Silva.

Leia mais
MPF abre inquérito sobre suposto desvio em verba para escola
11/06/2019 13:38
Cidades

MPF abre inquérito sobre suposto desvio em verba para escola

Foi convertido em inquérito civil a investigação do Ministério Público Federal da Paraíba (MPF-PB) sobre eventuais irregularidades referentes a construção de uma escola municipal no município de...

Leia mais

Comentários