INDENIZAÇÃO

Laboratório que errou diagnóstico e apontou câncer de útero terá que indenizar paciente

A mulher teve graves consequências com o erro do diagnóstico. Ela caiu em depressão e foi abandonada pelo marido, que não queria cuidar de uma pessoa com câncer.

Laboratório que errou diagnóstico e apontou câncer de útero terá que indenizar paciente

A empresa Luppa Laboratórios Unidos de Patologia da Paraíba Ltda foi condenada pela Justiça da Paraíba a pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 5 mil, em favor de uma paciente por conta de erro no resultado do exame de biópsia, que apontou que ela estava com câncer de útero. 

Na ação, a autora alega que se submeteu a uma cirurgia ginecológica, na qual foi colhido material para biópsia. Noticia que foi surpreendida com o resultado de Neoplasia Intra-Epitelial escamosa de baixo grau (NIC-1), tendo, após o recebimento do resultado, caído em depressão, uma vez que tinha perdido um tio com câncer e achava que estava acometida de doença incurável, além de que o seu ex-companheiro a abandonou, porque não queria ficar com uma pessoa doente que iria morrer.

Nas razões do seu apelo, a empresa defendeu que, apesar do erro no resultado do exame de biópsia da autora apontando para câncer de útero, inexistiu dano, um dos pressupostos para a reparação civil, uma vez que a promovente tinha conhecimento de “não haver sido extraído fragmento do seu útero, deveria concluir que o resultado de exame não seria seu. Ou seja, na abertura do exame a apelada já tinha conhecimento que o resultado não seria seu, em seguida, o médico garantiu que a apelada não tinha câncer”. Subsidiariamente, requereu a minoração do quantum indenizatório.

O relator do processo disse que o caso deveria ser analisado à luz do Código de Defesa do Consumidor, eis que os laboratórios de exames estão sujeitos ao CDC. No caso, o réu se encaixa no conceito de fornecedor, pois prestou serviço de exame de biópsia com diagnóstico equivocado”, explicou o desembargador Abraham Lincoln.

Sobre a redução do valor da indenização, o magistrado disse que tal pedido não merece acolhimento. “Vislumbra-se que o quantum indenizatório, R$ 5.000,00, restou de evidente modicidade, não havendo a menor sombra de juridicidade no pleito de redução do mesmo”, ressaltou.

A relatoria da Apelação Cível, oriunda da Comarca de Guarabira, foi do desembargador Abraham Lincoln da Cunha Ramos.

Da decisão ainda cabe recurso.

Outras Notícias

COVARDIA: Vídeo mostra cachorro sendo arrastado por carro
03/01/2019 20:07
Cidades

COVARDIA: Vídeo mostra cachorro sendo arrastado por carro

Um vídeo que está circulando nas redes sociais nesta quinta-feira (3) mostra um cachorro sendo arrastado por um carro na tarde de ontem em Ceilândia (DF).

Leia mais
Polêmicas podem fazer Bruno Gagliasso perder contrato com a Globo
14/03/2019 13:02
Entretenimento

Polêmicas podem fazer Bruno Gagliasso perder contrato com a Globo

Parece que a situação do ator na emissora carioca não é muito boa

Leia mais

Comentários