Futuro presidente do TSE já admite possibilidade de adiamento das eleições: “Quem vai bater o martelo são os sanitaristas”

O novo coronavírus está mexendo não só com a saúde da população mundial e brasileira, mas aqui no país também pode mudar as datas do primeiros e segundo turnos das eleições municipais.

blank

O novo coronavírus está mexendo não só com a saúde da população mundial e brasileira, mas aqui no país também pode mudar as datas do primeiros e segundo turnos das eleições municipais, que sempre acontecem no mês de outubro.

O novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, que assume o cargo nesta segunda-feira (25) e resiste a adiar as eleições além de nem cogitar a prorrogação de mandatos, já admitiu a possibilidade do adiamento e colocou nas mãos dos sanitaristas a responsabilidade sobre a informação se será possível, ou não, realizar o pleito na data estipulada.

“Quem vai bater o martelo são os sanitaristas”, afirmou.

A decisão entretanto deve acontecer por volta do final da primeira quinzena de junho, em conjunto com o Congresso.

“A prorrogação de mandato é antidemocrática em si, porque os prefeitos e vereadores que lá estão, foram eleitos por um período de quatro anos. Faz parte do rito da democracia a realização de eleições periódicas e o eleitor ter a possibilidade de reconduzir ou não seus candidatos”, disse.

Além da preocupação com a eleição, Barroso ainda criticou, em entrevista ao Diário de Pernambuco, o clima de radicalização que têm tomado conta de setores da política brasileira.

“Eu vejo um país em que discursos radicais vindos de lugares diferentes. Liberaram alguns demônios que, em uma democracia, devem ficar bem guardados. Demônios da radicalização, da intolerância e da violência, esses são inaceitáveis”, declarou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui