Jefferson Kita acusa Berg Lima de tentar desestabilizar Bayeux forçando eleição indireta

O prefeito em exercício de Bayeux, Jefferson Kita, disse que aguardava a renúncia de Berg Lima e o acusou de tentar desestabilizar a cidade, forçando uma eleição indireta.

blank

O prefeito em exercício de Bayeux, Jefferson Kita, disse que aguardava a renúncia de Berg Lima e o acusou de tentar desestabilizar a cidade, forçando uma eleição indireta.

“O que essas pessoas querem na verdade é desestabilizar a cidade, forçando uma eleição indireta”, afirmou Kita.

Dessa forma, segundo Kita, Berg tenta voltar à Prefeitura elegendo um sucessor, voltando a participar da gestão da Prefeitura de maneira indireta.

Para o prefeito em exercício, quem perde com isso é o município. “Não fomos pegos de surpresa, a gente já tinha conhecimento, e quem perde com isso é a cidade, porque são pessoas que só querem o mal da cidade”, ressaltou.

Ele disse que quando assumiu a Prefeitura de Bayeux, após o afastamento de Berg, pegou a cidade com os salários dos funcionários atrasados e com recolhimento do lixo também atrasado, entre outros problemas. “Pegamos a cidade destruída em menos de 60 dias conseguimos mudar o panorama de Bayeux”, acrescentou.

O prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima (PL), que tentou renunciar ao cargo no fim da tarde de ontem (13), conseguiu protocolar na manhã desta terça-feira (14) a carta-renúncia na Câmara Municipal da cidade.

Ontem, o presidente da Câmara Municipal, Inácio Andrade, disse a Berg que apenas o secretário legislativo poderia receber a carta-renúncia e como ele não estava na sede do prédio, orientou o prefeito afastado a retornar nesta terça-feira, 14, o que foi feito.

Berg Lima disse que já cumpriu sua missão e acrescentou que desejava paz. “Já cumpri minha missão neste mandato muito tumultuado e fui alvo de perseguição política. A população sabe bem disso. Não me deixaram governar. Por questões familiares e pessoais e para trazer paz à cidade, para levar estabilidade à cidade, decidi renunciar”, disse ele, acrescentando que antes ainda tinha esperanças de voltar ao cargo.

Ele disse que mantém seus recursos jurídicos e afirmou que vai avaliar sua participação nas eleições municipais desse ano.

O presidente da Câmara tem agora até 30 dias para convocar novas eleições. O processo de escolha do novo prefeito ocorrerá de forma indireta, já que Jefferson Kita, presidente da Câmara de Bayeux foi alçado à prefeitura com o afastamento de Berg.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui