A corrida da nova geração de videogames

O PlayStation 5, por enquanto, tem liderado a corrida

blank

Mais de dois meses se passaram desde o lançamento do Xbox Series X|S e do PlayStation 5, consoles que deram início à nona geração de videogames. Ainda é cedo para tirar conclusões sobre a jornada e o papel que esses videogames vão cumprir nos próximos anos, mas já dá ao menos para enxergar o caminho que esses dois produtos irão trilhar em seu primeiro ano de vida.

O PlayStation 5, por enquanto, tem liderado a corrida. Até o dia 9 de janeiro, aproximadamente 4,82 milhões de unidades do novo videogame da Sony foram adquiridas, segundo dados do VGChartz, site que monitora as vendas no mercado de games em todo o mundo. O total é muito superior ao alcançado pelo rival Xbox Series X|S (2,72 milhões), lançado dois dias antes.

Alguns detalhes tornam o número ainda mais impressionante: o PS5 teve o lançamento mundial dividido em fases ao longo de duas semanas. Na América do Norte e na Ásia, o videogame chegou às lojas em 12 de novembro de 2020. Uma semana depois, foi a vez da Europa e da América Latina, incluindo o Brasil, entre outras regiões. Já o modelo da Microsoft chegou simultaneamente a todos os mercados no dia 10 de novembro. Além disso, o volume de vendas alcançado nas primeiras nove semanas também ficou acima do conquistado pelo Switch (3,08 milhões) durante igual período desde o lançamento, em março de 2017. O console da Nintendo só alcançaria a marca da Sony em 22 semanas.

Ouso arriscar alguns motivos por trás da liderança precoce da Sony. O primeiro deles é um reflexo da geração anterior: o PlayStation 4 conquistou até agora mais que o dobro de vendas do Xbox One (115 milhões contra 50 milhões). Vale lembrar que ambos os consoles são retrocompatíveis (com suporte aos jogos da geração anterior) e que o PS4 tem indiscutivelmente uma biblioteca de jogos superior ao Xbox One.

O PS5 também trouxe uma linha de games mais empolgante no lançamento, com exclusivos como Marvel’s Spider-Man: Miles Morales e Demon´s Souls, sem falar no fofíssimo Astro´s Playroom. Outros títulos, com lançamento prometido para 2021, prometem movimentar o mercado: Nioh 2 e Ratchet & Clank, ambos previstos para o início deste ano; e Horizon: Forbidden West, que deve chegar às lojas no segundo semestre.

Quanto ao Xbox Series X|S, além de Halo Infinite, é difícil lembrar de algum exclusivo já lançado, ou com lançamento próximo previsto. O jogo da 343 Studios deveria ter sido um dos destaques na apresentação ao público do videogame em novembro do ano passado. Atrasos provocados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19) e a má recepção nas prévias do game entre fãs e jornalistas fez, no entanto, com que a Microsoft adiasse o jogo para o fim de 2021. Além da nova aventura de Master Chief, o único exclusivo de relevância (na minha opinião, diga-se de passagem) confirmado para 2021 é Microsoft Flight Simulator. Vale citar também The Medium, que chegou hoje (28) às lojas, mas, ainda não parece ter impacto suficiente para causar uma maior procura pelo videogame. A Microsoft demorou a investir em exclusivos e o resultado disso é que jogos esperados como Hellblade II, ou o recém anunciado Perfect Dark, não devem sair tão cedo.

O Game Pass, por enquanto, ainda é o único chamariz do console da Microsoft. O serviço que dá acesso a centenas de games mediante o pagamento de assinatura mensal ou anual é um modelo que tem dado certo e vem colecionando elogios por quem o experimenta. Porém, na falta de exclusivos na nova geração, muitos têm optado por manter o Xbox One, plataforma de praticamente todos os títulos disponíveis no Game Pass.

Nesta semana, a Microsoft ameaçou duplicar o valor da assinatura do Xbox Live Gold, que dá acesso a descontos e jogos gratuitos, cujo maior atrativo é habilitar partidas multiplayer online (jogos com participação de vários jogadores). Ao elevar o plano anual de 60 para 120 dólares, muita gente interpretou que a empresa estaria “empurrando” o Game Pass para os jogadores. Afinal, por apenas 60 dólares a mais (aproximadamente o valor de um novo game), é possível assinar o Game Pass Ultimate, que oferece todos os benefícios do Game Pass e do Xbox Live Gold em um pacote só.

A má repercussão da medida, porém, fez a empresa voltar atrás na decisão no mesmo dia. E ela ainda aproveitou para anunciar que games online gratuitos como Fortnite e Call of Duty: Warzone não exigirão mais uma assinatura do Xbox Live Gold. Situação já comum no PS4 e PS5, sem falar em títulos para PC que, em geral, não exigem nenhuma assinatura para partidas multiplayer.

E, mais uma vez, onde está o Switch no meio de tudo isso? Desde o lançamento, há quase quatro anos, o videogame da Nintendo já soma 77 milhões de unidades vendidas. A curva de crescimento é bem próxima a do Nintendo DS, que sairia de linha acumulando mais de 150 milhões de unidades comercializadas. Em dezembro, aliás, o Switch foi o videogame mais vendido nos EUA, segundo o instituto de pesquisa de mercado NPD. O total obtido (e não revelado) em todo o ano de 2020 é o segundo maior já alcançado por um console na terra do Tio Sam, atrás apenas do Wii em 2008.

Alguns boatos apontam que a empresa estaria preparando uma versão turbinada do videogame, com lançamento ainda este ano. Apesar disso, jogos como Super Mario 3D World, New Pokémon Snap e a sequência de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, aliados ao design único e preço baixo frente à concorrência, ainda devem tornar difícil a tarefa de tirar a coroa da casa do Mario por um bom tempo. Um sucessor para o Switch ainda não deve vir esse ano, mas eu não descartaria um lançamento já em 2022.

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui